segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Jantar dançante no Província Di Salerno

A locomotiva Lilian Furman promoveu o seu primeiro jantar dançante de 2017 no dia dois de fevereiro e, como sempre, prestigiadíssimo. A música ao vivo, de Ênio Bretas, levou os casais a ocuparem a pista. 
Aproveitando a ocasião, a jornalista Lena Brandão foi homenageada pela passagem de seu aniversário, por um grupo de amigos que participavam do evento no restaurante Provincia Di Salerno do querido e famoso mestre da cozinha  italiana, Remo Peluso.
Um encontro muito agradável e que recordava os velhos tempos das badaladas festas do saudoso Eduardo Couri, comentavam algumas pessoas. Aliás, Lilian Furman sempre foi a grande musa do colunista. Fotos de Cleber Piuzana e J. Urias.

Lilian Furman, Remo Peluso e Lena Brandão (J.Urias)
A anfitriã da noite, Lilian Furman e o Marcos (Piuzana)

Luiz Martins entre Edna Soares e Lena Brandão (Piuzana)

Angela Monteiro e Fernando Varella (Piuzana)
Aninha Lopes e Vera Comini (Piuzana)
Denise Souza Carmo, Beth Tourinho e Beatriz Rossi (Piuzana)
Beth e Edmond Curi e Lena Brandão (Piuzana)
Suzely Ortênzio e Lilian Furman (J.Urias)


Cleiton Rossi,Genival Tourinho e Afonso Celso Souza Carmo (Piuzana)
Patrícia Duque, Leonardo Augusto Ferreira e Toninho Augusto Ferreira (J.Urias)
Cacilda Bonfante, Lena Brandão, Niva Viganó, Aurinha Veloso e a sobrinha Luiza Chaves Velloso

Nancy Almeida, Diana Brant e Lena Brandão (Piuzana)
Cleinha Gontijo, Lena Brandão e Cacilda Bonfante (Piuzana)
Lena Brandão, Niva Viganó e Joanadarc Faria

Vera e Afrânio Comini ladeiam a aniversariante Lena Brandão (Piuzana)

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Vida real versus vida virtual


Por Vívian de Assis

Decidi escrever sobre esse artigo por me indagar muitas vezes pelo procedimento diferente que algumas pessoas adotam tanto na vida real quanto na virtual.

De fato, muitas pessoas praticam seus modos e ideias de uma maneira tão diferente na virtual que, quando se entrelaçam com a pessoal, observo a discrepância. Na maioria das vezes, a visão que temos de cada um de nós ou de um fato ou versão sobre a nossa própria vida é diferente de quando opinamos cara a cara. Nossa linguagem é diferente, mas nas redes sociais, observa-se um certo vocabulário, hostil e não gentil.

São inúmeras redes sociais no mundo e você já se perguntou quantas utilizam? Por quê? Para quê? Vai fazer diferença?

Aí depende mesmo é de nossa virtude, de nosso caráter, de como nos comportamos. Precisava desabafar algo pessoal em redes sociais, mas pra que fazemos isso? Na verdade nem sei bem explicar, pois nosso posicionamento na vida virtual deveria ser o mesmo na real.
Quem nunca brigou, discutiu, desabafou, indagou, criticou ou até mesmo se conformou e se calou diante de certos assuntos que nos bombardeiam hora a hora em nossas redes sociais? Mas será que são os mesmos em nossas vidas reais, pessoais? Creio que não!

Assuntos como religião, política e economia são temáticas corriqueiras em nosso dia a dia, mas como falamos pessoalmente sobre tais questões? Observa-se um respeito, o tom de voz é diferente, o movimento corporal segue o verbal, mas nas redes sociais, nossa, que diferença! E assusta pela visão e opinião deturpada que não coincide com a realidade. 

Estamos na era da grosseria on-line, assim define a matéria, de Bruno Ferrari e Gabriela Varella, da revista Época, quando cresce a intolerância nas redes sociais, onde proliferam os “idiotas da aldeia”. Não há um consenso sobre a relação de causa-efeito entre a tecnologia usada pelas redes sociais e uma eventual mudança de comportamento de seus usuários. Assim define a reportagem.

Analisando essa matéria, me pergunto quantas vezes já ouvi falar sobre o que postamos nas redes sociais. Não quer dizer que em nossas vidas não significam o que realmente pensamos, ou mesmo como nos posicionamos.

Observa-se que o que postamos na internet, muitas vezes, não é o que vivemos, talvez seja o que sentimos naquele momento, ou até o que queríamos ser, e não somos! Então somos uma mentira? Acho que não, mas mentimos para nós mesmos, para virtualizar aquilo que mais desejamos em nosso profundo desejo humano. Sermos melhores do que realmente somos!

Dessa forma se alivia o peso da vida, da realidade, então começamos a acreditar realmente que o virtual se torne real um dia!

Sim, as redes sociais estão presentes em nosso dia a dia. Mas até onde elas podem influenciar a nossa conduta na sociedade? Será que é possível ter noção de sua força e influência? Mesmo em simples aplicativos que nos permitem o compartilhamento de ideias e fotos, bate papos, onde se criam grupos, e logo se promovem encontros de amigos e familiares, incentivando relacionamentos? Ou não?

No artigo Redes sociais e relações interpessoais – qual o impacto? A psicóloga Andreia Cavaca indaga se as relações pessoais estabelecidas pessoalmente são semelhantes ao tipo de relação estabelecida virtualmente.

Será um novo jeito de participarmos dessa sociedade, de sermos aceitos, com interesses em comum, mesmo em um mínimo espaço de tempo? Tudo fica rápido, em apenas um clique nos perdemos, não por não sabermos quem somos e sim pelo fato que a vida continua a mesma, mesmo com a realidade virtual nos imitando!

Mas somos nós que a alimentamos, pois temos sede e fome de nossa própria existência, durante a qual geralmente pela nossa inocência temos esse intuito compulsivo de compartilhar informações, conhecimentos, interesses e esforços em busca de objetivos comuns.

Assim como o virtual tem sua importância, nossas vidas reais também têm. Mas estamos deixando de lado o nosso tempo e espaço, cada vez mais influenciando o destino de dezenas de pessoas, através da disponibilização de informações relevantes e até irrelevantes.

Nesse sistema social virtual as relações interpessoais, diferentemente do que muitos pensam, as redes aproximam ou distanciam pessoas e ideias, tornando-se um palco de discussões e divulgação para muitos de nós.

E isso só reafirma a influência forte que a internet, como as redes sociais, exercem sobre as pessoas. Assim, como o livre arbítrio, cabe a cada usuário, nós, como cidadãos de valores, refletir e escolher que conteúdos pretendemos acessar e divulgar.

Neste contexto, cabe a nós mesmos fazermos uma longa reflexão sobre nosso comportamento, tanto na vida real quanto na vida virtual, mas apenas isso[1] [2]  não basta!

É necessário um olhar diferenciado para nossas atitudes em público ou virtualmente e que não deixemos a humanização das relações se perderem, aproximando as pessoas e ajudando a estabelecer relacionamentos baseados no respeito mútuo e bom senso.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Prêmio Edital Instituto Unimed BH de Literatura

O espaço de eventos da Unimed-BH, à Rua dos Inconfidentes, 44 foi o local da solenidade de entrega prêmios aos participantes selecionados do Edital Instituto Unimed-BH de Literatura, projeto que foi realizado em parceria com a Academia Mineira de Letras, no dia seis de outubro do ano corrente.

Sucesso total! 42 contos inscritos, entre os quais 10 form selecionados para compor uma publicação especial.

O evento contemplou os presentes com a palestra "O Médico Escritor", ministrada pelo professor titular de Clínica Médica da UFMG e criador do Centro de Memória da Medicina de Minas Gerais, João Amilcar Salgado, além de prestigiar os colegas que tiveram seus contos publicados. Após a palestra, um coquetel foi servido aos presentes, durante o qual os autores autografaram o livro.

Os selecionados que tiveram seus contos publicados e respectivos títulos: Sérgio Edriane Rezende, Deságua; Maria Emília Darwich Apgáua, Trocados; Ulisses Campanha Parente, Tapirapé,  o caminho da anta; Aurélio Magalhães Neto, Coragem; Ana Paula Almeida de Mello, A Casa dos Guedes; Gustavo Vieira Gualberto, Bem-aventurados os seguidores do Twitter; Wilson de Souza Lima, Aula Inicial; Naider Alves de Freitas. As sombras sabem para quem aparecem;Elizabeth  Regina Comini Frota, A segunda vida Carlos Eduardo Martins Magalhães, Você acredita em macumba?.

Capa do livro
Os médicos autores
A médica oftalmolofista, Maria Emília Darwich Apgáua, autografa o livro

Dras. Ana Almeida de Mello, ginecologista e Maria Emília Darwich Apgáua, oftalmologista

Trocados

Por Maria Emília Darwich Apgáua

        O cão e o homem viviam por ali, ninguém sabe desde quando. Surgiram não se sabe de onde, se integraram ao cimento da calçada pouco se diferenciando na cor, o homem em andrajos, idade indefinida, o cão acinzentado, parecendo trazer um pouco de jovialidade a dupla.
Moravam na esquina, simbióticos, se aquecendo sobre um pedaço de papelão, embrulhados em plástico preto à noitinha e perambulando pelo bairro durante o dia, que era vencido amealhando um café, restos de alimentos dos bares e dos muitos restaurantes daquele bairro. Inseparáveis, primeiro o homem alimentava o cão, depois a si. 
O cão não tirava nunca os olhos dele, absorvendo cada mínimo gesto do homem, num elevar de orelhas ou num agito da cauda, vigilante. 
Os vizinhos os ignoravam. Eram parte da rotina da paisagem urbana, iguais a outros, que vinham e iam, sem deixar marcas. Raros tinham gestos solidários, primeiro pelo cão, depois pelo homem. As crianças olhavam com curiosidade e medo, primeiro o cão, depois o homem. 
Em dias de chuva, se encolhiam debaixo de alguma marquise e retornavam depois a mesma esquina, mesma vida, existindo sem existir, invisíveis incômodos. 
Quem passava e prestava atenção, ouvia a voz sussurrada e grave do homem a falar com o cão, narrando fatos e pessoas, fragmentos de sua história com nomes e sempre se escutando datas, mas ele se interrompia quando percebia estar sendo escutado, ficando em uma mudez desconfiada. 
Às vezes eles sumiam alguns dias, parece que voltavam menos encardidos, menos magros, mais mudos e novamente compunham a paisagem da esquina, como o meio fio e a árvore. 
Os olhos castanhos de ambos corriam de transeunte em transeunte, discretos, baixos, displicentes, observadores. 
Súbito, uma criança que vinha pela mão de sua mãe se desgarrou num minuto de distração e atravessou desarmada a esquina e o meio fio. O homem viu e se atirou, para empurrá-la de volta, num grande salto que assustou o cão. A criança tropeçou, alcançou o passeio, mas o homem ficou entre as rodas do carro, inerte. O cão veio se postou ao seu lado, sem lhe tirar os olhos, tão inerte quanto ele. 
Chamaram a ambulância, que levou o homem, deixou o cão. Ele tentou em vão segui-los e, pelo retrovisor, o motorista o viu diluir-se no caminho. 

domingo, 25 de setembro de 2016

Os 70 anos de Elvira Raulino


Cerca de 500 convidados compareceram ao Espaço Coco Bambu em Teresina(PI), para celebrar os 70 anos da jornalista Elvira Raulino. o evento contou com a presença de todos os seus colegas colunistas sociais da cidade. Para animar a festa, uma banda e um ator que personificou o imortal Elvis Presley, ídolo da aniversariantes. Fotos de Tácio Baptista.



quarta-feira, 24 de agosto de 2016

São Paulo Boat Show 2016

Meliá Ibirapuera lança desconto especial para clientes MeliáRewards se hospedarem durante o São Paulo Boat Show 2016

Localizado a apenas 9 km do novo São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, em São Paulo), onde – de 06 a 11 de outubro – vai acontecer o São Paulo Boat Show 2016 (Maior Salão Náutico da América Latina), o Meliá Ibirapuera, integrante da rede Meliá Hotels International, lança uma promoção exclusiva para clientes MeliáRewards. Os participantes do programa de fidelidade da rede terão 10% de desconto da melhor tarifa disponível para venda, além do café da manhã servido no restaurante e internet como cortesia.

Para aqueles que ainda não são clientes MeliáRewards, basta acessar o site www.meliarewards.com e realizar seu cadastro gratuitamente. O programa oferece um universo de benefícios exclusivos e vantagens tais como descontos em hospedagem, upgrades de apartamento, late check-outs e muito mais! Confira no site.

O evento

O maior salão náutico indoor da América Latina, o São Paulo Boat Show, estreia no novo São Paulo Expo recheado de lançamentos náuticos. Reconhecido pelas novidades que apresenta e pelo volume de negócios que ativa, o evento investe em todos os segmentos do mercado náutico brasileiro: luxo, lazer, mergulho, acessórios, inovações para navegação entre outros. O evento acontece simultaneamente com o PADI Dive Festival, o mais completo evento de mergulho da América Latina.

Onde: Meliá Ibirapuera Avenida Ibirapuera, 2.534, Moema, São Paulo/SP.

Quando: de 06 a 11 de outubro de 2016
Informações e reservas:  www.melia.com, na aba MeliáRewards.

Sobre o Meliá Ibirapuera
O Meliá Ibirapuera, localizado na esquina da Avenida Ibirapuera com a Rua Macuco, conta com 18 andares e oferece 350 apartamentos distribuídos em três categorías: Meliá Guest Room, Classic e Supreme, decorados com um estilo atual e contemporâneo, equipados com tecnologia de vanguarda e conexão Wi-Fi, piscina coberta e climatizada, sauna, lobby bar e o restaurante Giotto, que confirma a oferta gastronômica do hotel. Está a poucos minutos do Aeroporto de Congonhas. Além disso, é possível ir até o Shopping Ibirapuera a.
Sobre a Meliá Hotels International

Fundada em 1956, em Palma de Mallorca (Espanha), a Meliá Hotels International é uma das maiores empresas hoteleiras do mundo e líder absoluta na Espanha. Atualmente, conta com mais de 370 hotéis, abertos e em processo de abertura, em mais de 40 países pelas marcas Gran Meliá, Meliá Hotels & Resorts, Paradisus Resorts, ME by Meliá, Innside by Meliá, TRYP by Wyndham e Sol Hotels. O foco estratégico na expansão internacional transformou a Rede na primeira empresa hoteleira espanhola que opera na China, nos Estados Unidos e nos Emirados Árabes, mantendo sua liderança em mercados tradicionais como Europa, América Latina e Caribe. Além disso, destaca-se por seu modelo de negócios diversificado (uma das principais hoteleiras gestoras do mundo), seu crescimento apoiado em grandes alianças estratégicas e suas apostas no turismo responsável. Como resultado, a Meliá Hotels International é a companhia espanhola com maior reputação corporativa (Ranking Merco) e uma das mais atraentes para trabalhar em nível mundial.


quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Surpresa para David Faria

Sob a coordenação de Albertina Moura e Solange Raso, David Faria foi surpreendido com um jantar no restaurante Santafé, BH, para celebrar a passagem de seu aniversário. Noite agradável, no sábado, dia quatro de agosto. O advogado criminalista retribuiu a surpresa oferecendo delicioso espumante rosé.
Nélio Rodrigues, famoso repórter fotográfico, registrou.

David Faria, Solange e Gustavo Alberto Raso
Leonice Moura, Suzely Ortênzio, David Faria e Zuraide Moura



Dayse Faria e David


David Faria e Jadson Reis
Um brinde ao aniversariante
Zuraide Moura, Lenice Moura, , Albertina Moua e Suzely Ortênzio

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Troféu Pacu de Ouro, o grande acontecimento do ano

O peixe Pacu
Maria Leônia
 A Fundação Cultural Pacu de Ouro, presidida pela colunista social Maria Leônia foi instituída em 1994 com o objetivo de contribuir com as atividades na preservação do meio ambiente, com foco no peixe Pacu - espécie nativa no Brasil. A criação da Fundação deu-se pelo fato do peixe encontrar-se em extinção. Ocasionado pela pesca no período da Piracema, onde os filhotes eram extraídos do Rio Tocantins de forma prejudicial. Assim, a sua reprodução, atualmente, é mantida de forma natural, sem agressividade. 
Os projetos da Fundação Cultural Pacu de Ouro terão maior arrojo a partir deste semestre. 

Entre os homenageados que receberam o Troféu Pacu de Ouro estão: O desembargador Antonio Bayma Araújo Filho, o governador na época José Reinaldo Tavares, desembargadora Etelvina Ribeiro Gonçalves, o engenheiro Luís Raimundo Azevedo (diretor da Vale, na época), Célia Dino Cossetti, a prefeita de Cruzeiro -SP Ana Karen Quental e muitos outros.

O evento em sua VII edição será realizado no dia 05 de agosto, no New Palace Eventos, em Imperatriz-MA. É um evento fechado só para convidados, entre eles, os homenageados e seus familiares e amigos. Além da solenidade de entrega do troféu será uma noite festiva com buffet variado e a apresentação da banda  Pop Dee e do DJ Cahio Massuci.

Álbum de noivos

A belíssima executiva Marina Polizel (SP) e o seu noivo, o advogado Lymark Kamaroff,   posam para ensaio fotográfico pelas lentes de Eliane Kikuchi, com produção de figurinos de época e pin-up para o álbum de noivos. O casal se prepara para a cerimônia e casamento que acontecerá no próximo mês de outubro, em São José dos Campos, São Paulo.                                                                                                                                  
Para o grande dia, Marina ainda não revelou os detalhes da festa. Os convidados terão um dia de agradáveis surpresas como a decoração, o cerimonial, o buffet e, principalmente, o vestido da noiva. Mas, pelo figurino do ensaio fotográfico do álbum de noivos, podemos aguardar um vestido que deixará a Marina ainda mais bela, como uma princesa real. Fotos: Eliane Kikuchi










sexta-feira, 22 de julho de 2016

O UBER E SEUS PROBLEMAS

Por Hildeberto Aleluia


No final de junho de 2016 fui vítima de uma trapaça no aplicativo de transporte UBER, na SQN 213, em Brasília. Fiquei com a convicção de por muito pouco haver escapado de um assalto. Passados alguns dias, relatando para amigos e pesquisando nas redes descobri que não fui o único. Houve casos semelhantes, com vítimas, na própria cidade de Brasília, em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e em Nova Deli, na Índia. 


Trata-se de uma situação inusitada e perigosa. No Brasil, como sempre, a situação do aplicativo tem características muito próprias: está sendo desmoralizado pelos taxistas. Como não conseguem vencer o aplicativo na prestação de serviços e preços (chegando a custar mais que o dobro) os taxistas estão desmoralizando o UBER e causando prejuízos e riscos aos passageiros. O caso é grave. Em Nova Deli foi um estupro. Não houve interceptação da chamada.a passageira processa o UBER em sua sede na Califórnia. O motorista,um tal de Shiv Kumer Yadav, segundo o jornal Times of Índia, está preso e é acusado pela polícia local de haver estuprado outras mulheres. Em Belo horizonte há o relato da atriz e cantora Lívia Montovani em uma rede social que comprova a interceptação de chamadas telefônicas também na capital mineira.


Os taxistas brasileiros, especialmente os brasilienses, desenvolveram um sistema por onde interceptam as chamadas para o UBER. No meu caso, numa noite chamei o aplicativo por três vezes. Em todas as chamadas foram para um endereço errado. O UBER cobra uma taxa de sete reais se o passageiro desiste da chamada ou não encontrar o passageiro. Nunca chegaram a mim tais cobranças. Somente numa quarta chamada, após um telefonema, consegui o transporte.


No dia seguinte chamei de novo: com um atraso de meia hora para minha surpresa chegou um táxi. Ele me identificou pelo nome. Respondi que não havia chamado um táxi e sim um UBER. Rápido na resposta me contou que seu carro havia batido dias atrás e que ele já havia comunicado ao UBER e daquela semana em diante o táxi estava habilitado pelo próprio aplicativo. Como eu estava acompanhando a votação da Lei distrital que visa regular o aplicativo na capital federal sabia que aquela história não era verdadeira. Atrasado para meu compromisso resolvi correr o risco. O motorista dirigia mal e estava nervoso. Fui crivando-lhe de perguntas. Mais nervoso ele ficava. Enfim chegamos ao destino e até hoje não recebi a conta da corrida, fatura que costuma chegar imediatamente após o trajeto.


Fiquei preocupado. Contei para meu acompanhante no almoço que também achou a história muito estranha. Mais tarde, já noite, meu amigo ligou e me disse que dera muita sorte pois no trabalho dele colhera um relato igual e a passageira havia sido assaltada. Fui para as chamadas redes sociais e me pus a pesquisar. Numa delas encontrei o testemunho da senhora Fernanda Mac Dowell, na quinta feira dia 27 de junho. Seu relato:


- acabou de acontecer comigo o que alertaram aqui no Facebook. Fotografei o carro. Pedi um Uber no Centro da cidade, no Rio de Janeiro e gravei a placa e o modelo: Tucson LSR. Sorte que estava atenta. A caminho do meu Uber, antes encostou outro carro. Se dirigiu a mim e abriu a porta. Notei que a placa não conferia e nem o modelo do carro. Alguns segundos depois, já no carro que chamei, o motorista relatou-me ter conhecimento de casos semelhantes e testemunhos de passageiras que foram assaltadas em situações parecidas.


Em outro relato colhi testemunhos até de estupros acontecidos em Belo Horizonte. Na mesma semana deparei-me com uma notícia de estupro em Nova Deli, na Índia, praticado por um motorista do UBER. Aqui e ali encontro depoimentos de vítimas onde a característica principal é a interceptação das chamadas. A empresa UBER é a que mais cresce no mundo na área virtual. Seu valor de mercado já ultrapassa os 40 bilhões de dólares e vem recebendo aportes financeiros de um bilhão de dólares ao mês. Tanta tecnologia e o cliente fica isolado. Não há um canal para o passageiro se reportar ao outro lado do balcão.


 Outros aplicativos crescem no mundo e o maior deles é o Didi Kuaidi. Desembarcam no Brasil este mês. Como não temos um órgão regulador é necessário que estejamos atentos. E cabe ao governo acordar para o assunto. Do Congresso Nacional nada podemos esperar a julgar pela regulação da neutralidade da rede quando a Câmara dos Deputados promulgou uma Lei, conhecida como  Marco Civil da Internet, ludibriando a todos quando não fixou os parâmetros, claros, da neutralidade da rede. Ao contrário, facilitou a vida das Teles, permitindo que elas fixem ao seu gosto os limites de navegação na banda larga. Cedo ou tarde iremos pagar mais pela navegação. É aguardar para ver.


  A evolução tecnológica está sob cerrado ataque. No caso do UBER trata-se de um caso para a polícia agir.

CP Gardens


Com prestigiado coquetel a paisagista e empresária Carla Pimentel e seu filho Leonardo inauguraram seu mais novo projeto, “CP Gardens”, um novo conceito para decoração de espaços externos, varandas, áreas gourmets, gazebos, etc.
A loja oferece adornos diversos, plantas naturais mixadas com plantas permanentes, almofadas decorativas, aromas, cestarias e muitos detalhes que fazem a diferença na hora de compor o ambiente.
O elegante projeto da loja leva a assinatura da arquiteta Gláucia Britto, e a Abatjour de Arte deu um toque de muito aconchego com sua iluminação. Vá conferir! Fotos Edy Fernandes.

Barbara Hamers Costa, Carla Pimentel, Andrea Hamers Costa, Fernanda Cardoso
Carla Pimentel, Brian Michael Fraser Neele, Simone Arcur
Leonardo e Carla Pimentel
Letícia, Maria Cristina e Thais Valle
Marina Pimentel, João Leite, Carla Pimentel
Brenda e Sonia Rochwerger, Adriana Lanari
Ana Paula Vaz, Jo+úo Jacques Vaz
Mira Mundim, Alberto Radespiel, Sheila Mundim