sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Rússia: uma beleza sem fim

Fátima de Oliveira, jornalista e escritora (texto e fotos)


Segundo historiadores,  a Rússia surgiu entre  século VI a.C. até o século II d.C. , iniciando-se com os eslavos do leste, que surgiram como um grupo étnico reconhecido na Europa entre os séculos III e VIII. Fundada e dirigida por uma classe nobre de guerreiros vikings e por seus descendentes, o primeiro Estado eslavo, o Principado de Kiev, surgiu no século IX e adotou o cristianismo ortodoxo do Império Bizantino em 988. O nome "rus'", que deu origem a "Rússia" provavelmente vem da palavra finlandesa "Ruotsi" e da estoniana "Rootsi", que significa, remadores.
  
Essa terra e este povo viveu o socialismo (a Rússia foi o primeiro país socialista do mundo), na então União Soviética, regime instalado com a Revolução Soviética de 1917,   período de conflitos, que derrubou a autocracia russa e levou ao poder o Partido Bolchevique, de Vladimir Lenin. Mas se disciplinou, criou, produziu e desenvolveu uma rara civilidade. 

Os russos viveram guerras, fome e toda sorte de dificuldades ao longo de sua história, muitas desconhecidas de nós,  livres e privilegiados no Brasil. Isso faz dele um povo consciente de seu papel social. Tanto que pelas ruas (lavadas todas as manhãs por caminhões pipa)  das principais cidades não se vê lixo jogado, não se vê descortesia e não raro encontra-se um patriota defensor daquele país distante, mas tão parecido com a gente que luta pela liberdade com determinação e responsabilidade.

 A Rússia hoje é uma economia consagrada e cerca de 143 milhões de pessoas falam nada mais nada menos que 31 línguas cooficiais. É o país com maior área do planeta, cobrindo mais de um nono da área terrestre. É também o nono país mais populoso.

O país faz fronteira com os seguintes países:   Noruega, Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia, Bielorrússia, Ucrânia, Geórgia, Azerbaijão, Cazaquistão, China, Mongólia e Coreia do Norte. Também tem fronteiras marítimas com o Japão, pelo Mar de Okhotsk, e com os Estados Unidos, pelo Estreito de Bering.

São Petersburgo

Peter é a segunda maior cidade da Rússia e a mais ocidentalizada do país. Está localizada ao longo do rio Neva, na entrada do Golfo da Finlândia. Nasceu com o nome de  Petrogrado, em homenagem ao seu fundador, Pedro, o Grande (grande no ideal e fisicamente. Ele tinha dois metros e três centímetros). Em 1924 a cidade é rebatizada como Leningrado e em 1991, após o colapso da União Soviética, a cidade volta a ser São Petersburgo. É  chamada também apenas de Petersburgo e informalmente conhecida como Peter.

A cidade foi fundada pelo czar Pedro, o Grande,  em 27 de maio de 1703. Entre 1713-1728 e 1732-1918,  foi a capital do Império Russo. O sonho de Pedro era ocidentalizar a Rússia, já que o ocidente o encantou após várias viagens à Europa. Em 1918, as instituições da administração central se mudaram de São Petersburgo para Moscou.. A cidade é um grande centro cultural europeu e também um importante porto russo no mar Báltico. Hoje é patrimônio da Unesco.

Está em São Petersburgo o belo e imponente Hermitage, localizado às margens do rio Neva. É o maior museu de arte do mundo e sua vasta coleção possui itens de praticamente todas as épocas, estilos e culturas da história russa, européia,oriental e do norte da África. Uma inimaginável realização,distribuída em dez prédios, situados ao longo do rio, dos quais sete constituem por si mesmos monumentos artísticos e históricos de grande importância. Neste conjunto o papel principal cabe ao Palácio de Inverno, que foi a residência oficial dos czares desde sua construção até a queda da monarquia .

A igreja do Sangue Derramado, com sua arquitetura rica em detalhes,
é o cartão postal de São Petersburgo 
A Catedral do Sangue Derramado ou Igreja da Ressurreição do Salvador é a obra de arte mais perfeita entre as maiores do mundo sacro. Não há como não ficar literalmente sem fôlego diante dela.  A igreja tem cinco cúpulas semicirculares,  um enorme pilar que forma a torre-campanário e uma pirâmide octogonal ao centro, parecidos com  igrejas do século XVI ao XVII. Só que essa é a mais bonita de todas.

Interior da igreja do Sangue Derramado
A igreja é de tijolo vermelho e castanho, toda a superfície das suas paredes está coberta de adornos elaborados e detalhados. Bandas e cruzes de tijolo colorido, azulejos policromados aplicados nos vãos das paredes, azulejos nos telhados das torres e coberturas piramidais são de mármore branco. Li que a parte inferior da torre do campanário está decorada com 134 mosaicos de escudos de armas (coleção heráltica) doados pela comunidade local. Os mosaicos espalhados foram figuras  curiosas e bonitas. 
As cinco cúpulas centrais da igreja são revestidas de cobre e esmalte de diferentes cores. As cúpulas menores em forma de cebola e a cúpula do campanário são douradas.
A igreja está situada a  margem do canal Griboedov (assim designado em honra de Alexandre Griboedov) próximo ao parque do Museu Russo e da Nevsky Prospekt. A edificação foi construída no local onde o czar Alexandre II da Rússia foi assassinado, vítima de um atentado no dia 13 de março de 1881.

Decorada com esculturas, pinturas e pedras preciosas, a Catedral de Santo Isaac recebe visitantes de todas as partes do mundo
 A catedral ortodoxa de Santo Isaac é outra beleza à parte. É  maior e mais suntuosa da cidade de São Petersburgo, embora não tão bonita quanto a do Sangue Derramado. Com capacidade para 14 mil pessoas em seu interior  é dedicada a Pedro , o Grande. Construída entre os anos de 1818 e 1858 a  catedral tem estilo neoclássico com a inserção de adornos bizantinos e foi construída pelo arquiteto francês Auguste de Montferrand, que venceu o concurso para a substituição da igreja de madeira. O domo principal mede 101.5 metros e impressiona pela beleza singular.

A Catedral de Santo Isaac, padroeiro de Pedro, o Grande, é a mais suntuosa e grandiosa das igrejas de São Petersburgo, com 101,5 m de altura e se identifica facilmente por sua grande cúpula dourada

“Na decoração da Catedral de Santo Isaac empregaram-se 43 tipos de minerais. O zimbório  foi revestido de granito e o interior, paredes e chão de mármores russos, italianos e franceses. As colunas e o retábulo foram  revestidos de malaquita  e lápiz-azuli. Foram gastos 100 quilos de ouro para dourar a cúpula  de 21,8 metros de diâmetro. Adornam a catedral quase 400 obras entre esculturas, pinturas e mosaicos”.(Fonte: Wikipedia).  Desde 1931 que a catedral é um museu aberto à visitação e com possibilidade de ser fotografado. E merece,  pois é de uma beleza extraordinária, impressionante.

A igreja Nossa Senhora de Kazan, a fortaleza de Pedro e Paulo, o busto do cavalo de Pedro o Grande, teatros, praças, ruas e avenidas e uma arquitetura única  fazem da linda São Petersburgo a cidade mais bonita da Rússia.
A fortaleza de Pedro e Paulo, localizada do outro lado do rio está totalmente recuperada após ser toda destruida durante a revolução de 1917. 
  
Fora da cidade de São Petersburgo está o palácio de verão de Pedro o Grande, fundador da cidade e considerado um benfeitor para o povo russo. Era ainda pessoa viajada, de gosto refinado  e isso pode ser constatado nos jardins que rodeiam seu antigo palácio. 

Posteriormente o local foi ocupado por outros czares e descaracterizado. Mas os jardins intocados estão à disposição para a visitação do público e é de uma beleza impressionante. O palácio hoje tem decoração totalmente feminina e reflete o gosto de czarinas como Elizabeth e Catarina I e II. Para se entrar no local é preciso sapatos especiais e não se pode fotografar nada. Uma pena, pois o mundo todo merece conhecer essa raridade em decoração.

Moscou

Moscou é uma cidade cosmopolita, agitada, com tráfego intenso e um dos metrôs mais eficientes do mundo. Mas tudo isso perde a importância diante da suntuosidade e da beleza de sua arquitetura. Não há como não parar, estático, diante de tanta beleza. A cidade se instalou no ano de 1147.

Moscou está situada às margens do rio Moscova, que corre pouco mais de 500 km através da planície do leste da Europa, na Rússia central.Enfeitando-o vemos 49 pontes que atravessam o rio e seus canais dentro dos limites da cidade. A largura da cidade ,  de oeste para leste, é de 39,7 km, sendo o comprimento de norte a sul de 51,7 km.

Trata-se de uma das capitais mais frias do mundo. No inverno as temperaturas podem chegar 42 graus negativos, como ocorreu em 1940. A neve está presente na cidade  de três a cinco meses por ano, normalmente inicia-se no final de novembro, derretendo em meados de março. Mas o tempo é flexível em Moscou. No verão as temperaturas variam muito. Este ano pude ver, na mesma estação, ou seja, no verão, temperaturas que variaram de 12 a 30 graus em um mesmo dia. Basta chover que a temperatura despenca. Mesmo no verão as pessoas não saem de casa sem agasalho.

O cristianismo é a religião predominante na cidade, com a igreja ortodoxa russa, considerada uma parte do patrimônio histórico da Rússia, em lei aprovada em 1997. Isso é tão importante para a cidade que quando se vê um turista religioso, as pessoas que trabalham em museus e igrejas, lhe dão preferência, facilitando a entrada e maior proximidade com as peças sacras, como os túmulos de padres, por exemplo. Com a desintegração da União Soviética, em 1991, muitas das igrejas destruídas durante o regime foram restauradas e as religiões tradicionais vêm ganhando força novamente.

A primeira parte da viagem à Rússia dediquei a São Petersburgo e ainda agora me arrependo de ter ficado menos tempo lá que em Moscou. Saint Peter é completamente linda e merece uma visita de ,no mínimo ,10 dias. Moscou, embora muito maior, não tem como ser vista em menos tempo também.

Cheguei em Moscou no trem bala (partindo de São Petersburgo). Três horas e pouco de viagem, em 713 quilômetros. No trecho coberto pelo trem passamos pela área rural da Rússia com poucas paisagens e muito poucas casas. Mas o que dá para ver da janela do trem é bonito e bucólico.
O dia seguinte sigo a tradição de pegar o ônibus de turismo e circular pela cidade para situar-me no lugar. Não tinha reparado que, para se chegar ao ônibus andei pela linda e famosa Rua Tverskaya e atravessei parte da Praça Vermelha, nesta época do ano ocupada com palanques para festas e shows. Também não tinha reparado que estava ao lado do belo e imponente prédio do mercado Gum. Na Rússia as coisas vão aparecendo na frente da gente assim, do nada. Por isso andar por este país requer muita atenção, tempo e paciência.
Curiosa, circulo Moscou por cerca de três horas. É impressionante a beleza das ruas, alguns  prédios são em estilo neoclássico, mas ricamente adornados.E de muito longe ou de muito perto vejo as cúpulas douradas avisando que essa sim é Moscou, uma cidade completamente diferente de todas as outras da Europa. 

Antes da primeira curva encontro o primeiro teatro, ao lado do Bolshoi,  que é de frente à praça do Trabalhador, com a imensa estátua do escritor, filósofo e revolucionário Karl Marx. Mal tenho tempo de erguer os olhos e dou de cara com o prédio da assustadora KGB. Até o vermelho do prédio é diferente do todos os outros da cidade. Avisto o primeiro arranha-céu de Stalin (são sete prédios na cidade,  chamados de as sete torres irmãs). São bonitos e se destacam no cenário. E sigo viagem prometendo que o descer do ônibus de turismo vou a cada lugarzinho deste para conhecer tudo em detalhes.

A mais impressionante e bela de todas as de dentro do Kremlin esta á a igreja de São Basílio, construída sob as ordens de Ivan IV, o terrível.  E ainda a Catedral da Anunciação, do Arcanjo e o Palácio do Patriarca. Muitos monumentos estão fechados ao público, como o prédio central do kremlin. Sem contar outras partes  em reforma, pois se “Moscou nunca dorme’, também não pára de receber reformas.

A catedral do Cristo Salvador é de uma beleza rara e é a maior igreja ortodoxa da Rússia. Idealizada por Alexandre I em homenagem aos soldados mortos na batalha contra Napoleão. Demolida durante o período socialista foi reerguida e reinaugurada em 2.000. O convento Novodevichy é o mais famoso mosteiro de Moscou e tão bonito quanto a catedral de Nossa Senhora de Smolensk com afrescos maravilhosos. 

A catedral da Imaculada Conceição da Virgem Maria é a única representante da igreja católica aposólica na cidade. Com arquitetura neogótica é considerada um dos monumentos sacros mais bonitos da cidade. O cruzeiro fluvial deu-me oportunidade de conhecer melhor a cidade em torno do rio Moscou e encontrar-me com a imensa estátua de Pedro, o Grande nas águas.

O vermelho encontrado nos prédios de Moscou é único. Nunca via nada igual. É grandioso, destaque-se no cenário da cidade. Por isso não é difícil circular o muro, observar as grande colunas, com listras verdes e uma estrela na ponta,  pois ele é todo de cerâmica vermelho escuro.

Dentro do Kremlin, além  das igrejas, tem a história completa da Rússia, especialmente das lutas travadas por este povo. Um exemplo de beleza e grandiosidade do acervo são dezenas de canhões espalhados pelo parque e calçadas e o maior canhão do mundo, confeccionado na época da invasão de Napoleão ao país.É verdade que não chegou a ser usado para intimidar as tropas inimigas, muito menos o imenso sino, também o maior do mundo que se quebrou antes da instalação. 

O pedaço quebrado está ao lado e pesa simplesmente 202 toneladas. Imagine o peso do sino todo? Do lado de fora dos portões do Kremlin está o monumento ao soldado desconhecido, velado 24 horas por dia, por dois soldados armados que se revezam a cada hora. A pira fica acessa em tempo integral. Os turistas ficam próximos ao monumento tentando fazer os guardas rirem. Quem consegue, fotografa e comemora. Eu consegui o feito. Uma bobagem, mas coisa de turista!

A catedral de São de São Basílio é uma obra de arte sacra  de beleza rara. Absolutamente linda, por dentro e por fora. Ela é a principal edificação dentro do Kremlin. Não sei se é mais bonita por dentro ou por fora. Idealizada por Ivan, o terrível, a catedral não é grande por dentro, mas é suntuosa.  E pode ser fotografada. La dentro afrescos em tons fortes, imagens de santos da época revelam o bom gosto e a riqueza dos czares. Encantadora!

Circulei-a em todos os sentidos. Queria ter ideia de como foi construída e o porque de tantos detalhes em sua cúpula, que, por incrível que pareça, não tem nenhum detalhe dourado, ao contrário de dezenas de outras em estilo e épocas parecidas. De frente a parte principal dela, já do lado de fora dos portões do Kremlin está a catedral de Kazan, linda também. Em sua lateral está  uma micro igrejinha de onde se pode ouvir cânticos e orações em tempo integral. Neste local pode-se entrar, desde que seja para rezar, mas não se pode forogrfar. O mesmo acontece com a pequena capelinha ligada aos muros do Kremlin.

Os jardins do Kremlin formam um espetáculo a parte. Bonito, bem cuidado (em geral por senhoras idosas) tem as muitas árvores e flores típicas da Rússia. Muito bonitos.
A capital da Rússia tem 49 pontes cortando o rio Moscou. E cada uma delas tem uma história diferente e as razões pelas quais foi construída. A mais bonita delas é a hoje chamada ponte dos beijos. 

Ganhou este nome por ser, inicialmente a mais bonita deles e onde os casais iam se encontrar. Agora o local tem árvores construídas com cadeados, pois lá acontecem cerimônias de casamento, encontros de amor e é onde os casais fazem suas juras  “trancando” seus compromissos de afeto.

De frente a Ponte dos Beijos  e  do lado contrário do Kremlin, está a Galeria Tretyakov, o segundo mais belo museu da cidade de Moscou, dedicado à preservação e divulgação da arte nacional do país.O  acervo é voltado exclusivamente para a arte russa e para quem tenha tido contato com ela. E  é um dos mais importantes do mundo em seu gênero. Atualmente a Galeria Tretyakov possui mais de 130 mil itens que vão desde o século XI até a contemporaneidade.

A Galeria foi fundada em 1856 com as primeiras aquisições de obras pelo colecionador  Pavel Mikhaylovich Tretyakov, entre artistas contemporâneos seus, com o objetivo  de criar um acervo de arte nacional acessível para todas as pessoas. Em 1892 a galeria  foi aberta ao público com 1276  pinturas,  471 obras em papel e 10 esculturas de artistas russos e 84 pinturas de mestres estrangeiros. Muitas destas obras seguiam linhas arrojadas para a época, consideradas mesmo ofensivas, e o colecionador sofreu por diversas vezes pressões e críticas de figuras da religião e da política russa.

 Fica próximo à Galeria Tretyakov, o monumento a  Pedro, o Grande.  A estátua tem 98 metros  e foi esculpida pelo artista georgiano Zurab Tsereteli. Nela vemos um vigoroso Pedro na proa de um grande navio, ostentando um pergaminho de ouro, além de outras figuras que compõem a peça de grande beleza.

O metrô de Moscou, com o velho e o novo conceitos de decoração enchem os olhos do visitantes. O palácio do Povo, como definiu Lennin, tem exemplares de todas as épocas. Inaugurado em maio de 1935, com  apenas uma linha de 11 km e 13 estações, o metrôs tem hoje um dos mais extensos, eficientes e movimentados sistemas metroviários do planeta. As 196 estações têm 12 linhas e mais de 325 km (com previsão de expansão) e  transporta cerca de 7 milhões de viajantes por dia,sendo o maior número de passageiros da Europa.

Fui a 19 estações, sendo que fiz a linha vermelha completa. A opulência das estações encanta o visitante. As mais simples são toda coberta de mármore. As mais modernas têm acrílico ou árvore inoxidável, mas nem por isso deixam de ser muito belas. E viajar neste metrô é entrar em cotato direto com a gentileza urbana. As pessoas são gentis e bem informadas e não se importam de dar informações precisas a respeito do caminho.

A Rússia é apaixonada por cavalos, animal que contribuiu, em muito, para as vitórias em dezenas de lutas enfrentadas por aquele povo. Tanto em São Petersburgo como em Moscou pode-se ver grandes bustos de cavalos. Famosos ou não, eles estão la, em bronze puro, contando a história das cidades.

Além da refinada arquitetura, das belas cúpulas douradas, das igrejas de beleza sem igual, do metrô eficiente e bonito a cidade de Moscou tem características incomuns à maioria das cidades de grande porte em todo mundo. O índice de violência é zero assim como o de acidentes de trânsito. Isso porque não se atravessa rua ou avenida  movimentada. O pedestre é obrigado a se utilizar de passagens subterrâneas para passar ao outro lado da vida.

 A Rússia é  uma maravilha de país. E quero voltar a vê-la.


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Cidadela é novo aplicativo de publicidade digital, confira!

Um novo projeto que conecta a população, o comércio e a cidade para realizar melhorias nas esferas de segurança, esporte, cultura e lazer, o Cidadela, foi apresentado e lançado durante um coquetel no Espaço Meet Lourdes e contou coma presença de autoridades, formadores de opinião do mercado de tecnologia e startups, além de empresários e imprensa de Minas Gerais. A animação ficou por conta de Breno Barreto e Hannah Quaresma.

O aplicativo de publicidade digital, Cidadela, reverter parte dos valores recebidos em benefícios  para a população, já está disponível para android e ios.

O Cidadela está sediado no coworking Semear Innovation econta com a parceria da FCJ Participações.
Alberto Reis, Gustavo Serpa, Lívia Monteiro e Rafael Lara, diretores do Cidadela

Elcio Carvalho, diretor corporativo Cidadela; Yukari Hamada, Consulado do Japão; Joao Selera, Presidente do Rotary International Barro Preto e sua Esposa Edeweiss, Primeira Secretaria; Suzely Ortenzio, presidente da abramidia, palestrante e produtora de eventos; Franklin Ferreira, diretor corporativo Cidadela
Mauro Carrusca vice presidente Sucesu MG; Marcia Vieira, Carrusca Innovation; Danilo Alves Comando Geral PMMG e esposa

Alberto Reis, CEO Cidadela; Tiago Gusmão, CT Amigos do Esporte; Raquel Couto diretora da Tao Coaching; Paulo Lopes, Cultura Inglesa
Franklin Ferreira, Ricardo Tavares Victor, advogado e apresentador TV Alterosa, Ercio Quaresma, advogado criminalista; Elcio Carvalho, Alberto Reias, Fernando Junior, Presidente do Grupo Meet e colunista, Danilo Alves, Fabiano Carrijo, diretor FCJ Participações

Alberto Reis, Miss Minas Gerais Pamella Soul, Lívia Monteiro e Wanderson Andrade.

Marcos Freitas, produtor de eventos; Ercio Quaresma, Luiz, presidente Federação Mineira de Muay Thai, Marlisson, empresário.

Lara Monteiro e Lívia Monteiro Cidadela e Vânia Lucia, Ordem dos Músicos do Brasil
Anderson Leitão, DEOESP Polícia Civil e esposa, Nathália Araújo e Alberto Reis, Cidadela, Carlos Ribeiro, empresário e Gizelia Fernandes
Lívia Monteiro e Alberto Reis, cofundadores Cidadela com Mauro Quintão, Programa Enxada Neles

Cláudio Fernando e Alessandro, Studio Moob com Alberto
Alberto Reis, Cantora Hannah Quaresma, Lívia Monteiro e a Produtora Liliane Mesquita.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Lançamento e apresentação da Sua Produtora


Foi um sucesso o coquetel de lançamento e apresentação da Sua Produtora na  terça-feira, 25 de abril.

Os sócios Mauricio Lobato e Cacá de Britto se juntam para oferecer ao mercado uma nova opção de negócio especializado em agenciamento de bandas, grupos, DJs, etc.

Com um moderno estúdio de produção musical, salas de reunião amplas e varanda panorâmica, a empresa está confortavelmente instalada no Alto Santa Lúcia, pertinho da Av. Raja Gabaglia. Nesse nobre endereço, os sócios apresentarão aos clientes as melhores opções para as diferentes festas que acontecem em Belo Horizonte e qualquer outra cidade do país e do mundo.

Os empresários tem grande experiência no segmento e forte relacionamento pessoal. A Sua Produtora nasce com agenda cheia, envolvida em grandes comemorações.
Cacá Lanari registrou:

Juliana Piroli, Mariel Pelli e Leticia Martins

Marina Dinelli e Michel Lara

Maurício Lobato e Cacá de Brito, os anfitriões

Rejane Bernardes e Alex Gomes

Severina Gonçalves e Fabiana Brito

Tulio Rullus e Monica Lipiane 

Ana Flavia Ribeiro e Frederico Mourão
Fernando Trancoso, Elisa Castro, Patricia Campolina e Gisa Masiero

Maria Emília, Letícia Martins, Mariângela Lima, Cacá de Brito
Juliana Freitas e Camille Toledo
Serviço:

Sua Produtora

Rua Amoroso Costa, 88 – Alto Santa Lúcia

(31) 3245.8801

Belo Horizonte - MG

www.suaprodutora.com



segunda-feira, 24 de abril de 2017

AGRONEGÓCIO : Olhar amplo e atento dentro e fora da porteira


 Por Manoel Mário de Souza Barros (*)

                      O Brasil vive um momento histórico relacionado ao agronegócio. Relatórios econômicos internacionais dão conta de um recuo de  2,1 % nos preços dos alimentos à estagnação da economia, a mudança do câmbio e os fatores climáticos. Os últimos seis meses foram atípicos na história da inflação brasileira. Esta deflação de 2,1% nos alimentos retirou a culpa de nossa comida de ser o grande vilão inflacionário.

                         Foi a primeira retração do gênero, entre os meses de setembro e fevereiro desde 1991, ano em que se iniciou a série histórica da inflação de alimentos.

                         Entendemos ainda, que neste ano a carne também poderá cair de preço e ajudar a puxar a inflação para baixo, mesmo ainda, com alguns embargos serem mantidos por alguns países.


                        Evidentemente, que a malfadada operação “carne fraca”, não terá outras conseqüências em outras cadeias produtivas no país. Os preços dos alimentos caíram consecutivamente por seis meses, e notadamente não continuarao caindo. No entanto, a queda não ocorreu na virada do ano, mas entre o primeiro e o terceiro trimestre.


                         As nossas matérias primas do agronegócio no Brasil, entram na composição de produtos em diversos outros setores. O efeito se espalhou. Cerca, por exemplo de 70% da ração na avicultura é o milho. Então, o frango ficou mais barato. Nossa alimentação, fora de casa sofreu um impacto de 25% sobre o preço desses alimentos.


                        Assim, houve retração também no setor de serviços. Vivemos um choque de oferta nos alimentos, só que é um choque positivo que reduz os preços. 


                         O comportamento dos preços da comida foi tão inesperado, que na média, desde setembro,  vários analistas de mercado e também vários jornalistas econômicos, acabaram prevendo índices inflacionários mais altos, do que efetivamente se viu.

                 Finalizando nosso entendimento, a propalada estagnação econômica brasileira, juntos com os fatores já mencionados, reduziram o consumo e aumentou a oferta.


                   Com o câmbio baixo, deixaram as importações mais baratas e nosso clima que favoreceu nossas colheitas. Nossos alimentos de vários tipos ficaram mais em conta, desde frutas, legumes, os chamados” hortifrutigranjeiros”, produzidos pelos pequenos produtores da agricultura familiar e até as grandes matérias primas agrícolas como o milho e a soja, que tem cotação internacional.



 (*) Superintendente Regional da Cia. Nacional de Abastecimento de São Paulo.
Diretor do Agronegócio da Câmara Internacional de Negócios.
Conselheiro do CEDAF do Governo do Estado de São Paulo e do CONSEA do Gabinete do Governador do Estado de São Paulo. 

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Jantar dançante no Província Di Salerno

A locomotiva Lilian Furman promoveu o seu primeiro jantar dançante de 2017 no dia dois de fevereiro e, como sempre, prestigiadíssimo. A música ao vivo, de Ênio Bretas, levou os casais a ocuparem a pista. 
Aproveitando a ocasião, a jornalista Lena Brandão foi homenageada pela passagem de seu aniversário, por um grupo de amigos que participavam do evento no restaurante Provincia Di Salerno do querido e famoso mestre da cozinha  italiana, Remo Peluso.
Um encontro muito agradável e que recordava os velhos tempos das badaladas festas do saudoso Eduardo Couri, comentavam algumas pessoas. Aliás, Lilian Furman sempre foi a grande musa do colunista. Fotos de Cleber Piuzana e J. Urias.

Lilian Furman, Remo Peluso e Lena Brandão (J.Urias)
A anfitriã da noite, Lilian Furman e o Marcos (Piuzana)

Luiz Martins entre Edna Soares e Lena Brandão (Piuzana)

Angela Monteiro e Fernando Varella (Piuzana)
Aninha Lopes e Vera Comini (Piuzana)
Denise Souza Carmo, Beth Tourinho e Beatriz Rossi (Piuzana)
Beth e Edmond Curi e Lena Brandão (Piuzana)
Suzely Ortênzio e Lilian Furman (J.Urias)


Cleiton Rossi,Genival Tourinho e Afonso Celso Souza Carmo (Piuzana)
Patrícia Duque, Leonardo Augusto Ferreira e Toninho Augusto Ferreira (J.Urias)
Cacilda Bonfante, Lena Brandão, Niva Viganó, Aurinha Veloso e a sobrinha Luiza Chaves Velloso

Nancy Almeida, Diana Brant e Lena Brandão (Piuzana)
Cleinha Gontijo, Lena Brandão e Cacilda Bonfante (Piuzana)
Lena Brandão, Niva Viganó e Joanadarc Faria

Vera e Afrânio Comini ladeiam a aniversariante Lena Brandão (Piuzana)